PLACENTA PRÉVIA

MARCELO_NOMURA


A placenta é denominada prévia quando se relaciona anatomicamente com o orifício interno (OI) do colo uterino e, portanto, está inserida a frente (previamente) da apresentação fetal. Pode ser classificada em:


                          1. Placenta prévia (PP) completa, central ou centro-total quando recobre totalmente o OI (orificio interno).

                           2. Parcial ou centro-parcial quando recobre  parcialmente o OI.

                          3. Marginal quando a borda 2. margeia o OI, sem recobri-lo. A placenta é dite de inserção baixa quando a sua borda dista 2-3 cm da borda do OI.


                          A PP centro-total pode ser:

                          1. Simétrica - quando se estende nas paredes anterior e posterior do útero

                           2. Assimétrica - quando a maior parte dela se localiza ou na parede anterior ou na parede posterior.


Sintomas

O principal sintoma é o sangramento vaginal principalmente nos três primeiros meses de gestação. Quando o diagnóstico é feito neste período, o risco da placenta manter-se baixa ou prévia após 28 semanas é muito baixo, graças ao fenômeno de migração placentária (a placenta vai deslocando-se para cima conforme a gestação avança). Se a placenta for prévia no momento do parto, há maior risco de sangramento, transfusão sanguínea e histerectomia.

Ocorrência

Ocorre em 3 a 5 a cada mil gestações e ter uma cesárea prévia aumenta esse risco em até 5 vezes.

Mulheres que tem uma ou mais cesáreas e placenta prévia, particularmente na forma total e anterior (próximo da região em que foi feita a abertura do útero na cesárea), tem risco aumentado de acretismo. Nesta situação, a placenta adere-se anormalmente no útero, e não se descola normalmente. Há um grande risco de hemorragias graves e é preciso estar preparado para esse tipo de complicação no parto. Recomenda-se a pesquisa de acretismo em todas as mulheres com PP total e cesárea anterior através de ultrassonografia inicialmente e se necessário com complementação por ressonância magnética, uma vez que o diagnóstico durante o pré-natal permite a programação do parto com medidas de prevenção de hemorragia, equipe cirúrgica adequada e experiente em hospitais com recursos avançados.

De maneira geral, recomenda-se repouso para todas as mulheres com PP total ou parcial persistente no terceiro trimestre, sendo às vezes necessária internação hospitalar por períodos prolongados. Na maioria das vezes, é possível fazer o parto no termo com baixa incidência de complicações maternas e fetais graves.

                                                  completa                      parcial                         marginal


Texto: Dr. Marcelo Nomura



 cerclagem@cerclagem.com.br
 Comentários da autora  / Entrevistas Fale conosco




© Todos os direitos reservados a ERIVANE DE ALENCAR MORENO. Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que as fontes sejam citadas.
© Copyright 2010 

ATENÇÃO: as informações disponibilizadas neste site e fornecidas através da newsletter do site CERCLAGEM  têm propósitos orientadores, e não representam um substituto para aconselhamento e/ou tratamento médico especializado.



  Site Map