Em 2010 foi publicado o meu livro "E enfim, Sou Mãe!" onde constam trinta perguntas sobre IIC/Cerclagem e suas respectivas respostas dadas pelos doutores Ricardo Barini e Marcelo Nomura.
No entanto, no decorrer destes anos muitas outras dúvidas foram surgindo e com base em diversos relatos de mulheres do grupo Cerclagem, no Facebook, realizei outra entrevista com o Dr. Ricardo Barini, a quem eu agradeço por mais uma vez aceitar participar doando o seu tempo em nome deste trabalho voluntário o qual realizamos neste site.

1) As mulheres cercladas tem maior propensão a terem bolsa protusa no decorrer da gestação? (Se sim, por quê)?
P.S.: Esta pergunta foi elaborada porque tem surgem muitos casos de mulheres cercladas com protusão de bolsa no grupo cerclagem 

A propusão da bolsa indica que houve falha na cirurgia e que a cerclagem teve falha técnica ou que a paciente tinha condições de colo desfavoráveis e isso levou à complicação. as mulheres que tem IIC tem sim propensão para a profusão da bolsa, por motivos óbvios. 


2) Por que muitas mulheres cercladas tem Orifício Interno aberto?

Porque a cerclagem feita na gravidez, se não for a abdominal, não consegue atingir a altura do orifício interno do colo. Então a pressão das membranas e o peso da gravidez forçam a entrada da bolsa pelo orifício interno. 


3) O repouso favorece no avanço da gestação para as mulheres que tem o OI aberto? Quais os problemas que poderão decorrer?

Sim, o repouso é o que se fazia e se faz desde os tempos de antigamente, pois se a mulher ficar na horizontal ela reduz a pressão sobre o colo uterino e isso favorece a manutenção da gravidez. Imagine os outros mamíferos, todos eles, exceto os macacos e primos, tem o útero mantido na horizontal. Assim o peso da gestação se faz sobre o abdome e não no colo do útero. Por isso esses animais não precisam de um colo tão forte como os humanos e os macacos em geral.  Por isso o parto deles é menos doloroso inclusive.

 
4) A mulher que está com descolamento de placenta no início da gestação, pode realizar a cerclagem se tiver IIC? Quais os riscos?

O risco do descolamento é o desprendimento completo da placenta e a morte fetal.  Assim, se houver descolamento o correto é se fazer repouso intenso, usar altas doses de progesterona e esperar que o descolamento seja absorvido. Aí sim pode ser feita a cerclagem com segurança.  


5) Muitas mulheres que realizam a cerclagem queixam-se de infecção urinária recorrentes. Existe algum fator que propicie estas ITUs com mais frequencia nas mulheres cercladas?

Pode ser que um ou mais pontos tenham provocado uma irritação da parede da bexiga e isso funcione como um corpo estranho, o que leva aa infecções recorrentes e pode até ser cause de uma fístula (um furo ) da bexiga para a vagina, provocando perda de urina via vaginal, que até se confunde com perda de líquido.


6) Alguns médicos tem adotado a prática de inserir o pressário vaginal em pacientes que não são indicadas a realizar uma cirurgia como a cerclagem. Qual a sua opinião sobre o pressário?

Não uso, não tenho prática e vejo com um pouco de descrença o uso do pessário. Ele me parece um aparelho que tenta garantir a força necessária para se manter o peso da gravidez apoiado nas estruturas vizinhas, funcionando tb como uma "tampa" que impede a saída das secreções fisiológicas do colo uterino para a vagina.

 
7) Existe alguma estatística que nos mostre a eficácia do pressário vaginal em pacientes portadoras de IIC? Elas conseguem levar a gestação a termo?

Existem mas não as tenho de cabeça. Talvez outros colegas que tem acompanhado mais essa técnica possam exrepssar opiniões menos viezadas.


8) Muitas mulheres tem procurado a cerclagem definitiva. Quais são os parâmetros para a realização desta cirurgia?

Indico a definitiva nos casos de falha da cercalgem anterior e nas que apresentem lesões graves de colo uterino que possam impedir a cerclagem tradicional, seja por lesões provocadas por partos atendidos sem a retirada de uma cerclagem ou por cirurgias no colo uterino , como a conização ou amputação para tratamento de cancer inicial ou HPV.


9) A cerclagem definiitva tem sido realizada somente pelo senhor, ou já está sendo realizada por outros médicos também?

Ouvi dizer que outro colega (que acho que tb se chama Ricardo) faz por via laparoscópica (abdominal) antes da gravidez.  Mas não sei de outros colegas que tenham feito da definitiva. Na verdade feria se chamar Shirodkar modificada (por Barini, quando eu publicar).


10) O senhor acredita que de alguns anos para cá houve um aumento em relação ao índice de mulheres portadoras de IIC? Por quê?

Acredito que houve um aumento no diagnóstico da IIC, pois os médicos estão mais cientes e as mulheres com mais acesso às informações. Veja o sucesso do seu site.

 

11) Tem mais alguma coisa que o senhor ache importante informar as mulheres portadoras de Insuficiência Istmo Cervical?

Sim, que elas busquem assistência para seu problema antes de tentar engravidar novamente. Isso não significa que todo mundo deve fazer a definitiva, ela é uma alternativa que estamos ainda testando. Tenho feito alguns casos de cerclagem abdominal durante a gravidez com ótimos resultados tb. doutros médicos a fazem no nosso meio. Os colegas da USP por exemplo tem bastante experiência nessa técnica. O importante é poder encontrar um profissional que tenha experiência em cerclagem, seja ela qq técnica e que se disponha a atender à gestante.


Entrevista realizada por Erivane de Alencar Moreno

 

Ricardo Barini

Consultório Campinas:

Rua Antonio Lapa 280 sala 305 

Fone: 19-3294-5807

Cambuí, Campinas

 

Consultório São Paulo:

Rua do Rocio 423, sala 312

Fone: 11-3846-2409

Vila Olímpia, São Paulo

 


 cerclagem@cerclagem.com.br
 Comentários da autora  / Entrevistas Fale conosco




© Todos os direitos reservados a ERIVANE DE ALENCAR MORENO. Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que as fontes sejam citadas.
© Copyright 2010 

ATENÇÃO: as informações disponibilizadas neste site e fornecidas através da newsletter do site CERCLAGEM  têm propósitos orientadores, e não representam um substituto para aconselhamento e/ou tratamento médico especializado.



  Site Map