SEQUELAS PSICOLÓGICAS APÓS A PERDA GESTACIONAL



A gravidez é um momento muito especial na vida de uma mulher. As emoções, transformações e expectativas que a gestação gera na vida da gestante acontece de uma forma profunda e única.

Desde a concepção existe uma ligação muito forte entre a mãe e o feto - ambos compartilhando de todas as emoções, mudanças e experiências que ocorre neste período maravilhoso em meio a um novo ciclo de vida.

Infelizmente em alguns casos esse elo entre a mãe e o bebê é interrompido por um aborto espontâneo. A impossibilidade de ter nos braços um bebê que se amou muito pode ser um evento extremamente complicado para a mãe, pai e a família.

Por este motivo quando ocorre a perda gestacional, é normal que a mulher se sinta culpada. Assim como ela foi o "casulo" carregando o seu bebê dentro de si e vivendo esse momento intenso vinte e quatro horas por dia - somente ela e o seu bebê, é normal que se sinta a grande pivô no processo de culpa em relação à perda ocorrida.

Enfrentar um aborto pode abalar o equilíbrio psicológico da mulher. A maioria das mulheres que sofre um aborto espontâneo consegue ultrapassar a perda, sem sofrer de perturbações psicológicas associadas. Mas para outras, o aborto pode ser bastante traumatizante, gerando perturbações como a depressão e a ansiedade.

As mulheres que sofreram aborto espontâneo são consideradas um grupo de risco e devem ser acompanhadas se existirem indícios de sequelas psicológicas desse aborto.

Muitas conseguem reagir e voltar à vida normal em pouco tempo. Já outras se vêem depressivas e levam mais tempo para emergir de toda essa tristeza. Outras, porém, sentem que jamais conseguirão ultrapassar esta perda expondo o sentimento de que gostariam que a sua vida lhe fosse tirada, tal qual aconteceu com o seu bebê. Este terceiro grupo certamente necessita de acompanhamento médico.

As reações psicológicas em relação a um abortamento são múltiplas, pois dependem da motivação e desejo da gravidez, do investimento emocional nela depositado e na ligação com o bebê.

No entanto, habitualmente, as perdas gestacionais ocorridas no último trimestre têm maior impacto. Isto, porque a esta altura a gestante já experimentou sensações únicas, como o seu bebê se mexendo em seu ventre e por muitas vezes já tem o enxoval quase todo pronto. A expectativa em relação ao parto criada por uma mulher que está no segundo trimestre de gestação é sem dúvida muito maior do que àquela que está no início do período gestacional.

Os fatores emocionais mais descritos nas mulheres que sofrem uma perda espontânea são: tristeza, frustração, desapontamento, raiva (em relação a outras mulheres grávidas, aos médicos e aos maridos) e culpabilidade (por acharem não ter tido os cuidados necessários).

E muitos casos são frequentes os episódios depressivos em momentos significativos:  na data prevista para o parto, em anos subsequentes na data do abortamento, numa próxima gravidez. Também são comuns as perturbações de ansiedade numa futura gestação.

Quando estas consequências emocionais se agravam ou perduram por muito tempo, não sendo resolvidas através dos recursos pessoais ou ainda, caso surjam abortamentos espontâneos repetidos, em muitos casos é necessária a intervenção psicológica específica.

A mulher que sofre um aborto espontâneo, normalmente apresenta comportamento como os listados abaixo:

- depressão

- vontade de morrer

- ansiedade

- querem engravidar o mais rápido possível ou

- não querem mais fazer uma nova tentativa

- se culpam pela perda

- solidão

Normalmente a maioria das mulheres quer conversar com o parceiro a respeito da perda e contar minúcias do que aconteceu durante o processo. Sentem necessidade de dizer como se sentem e retomar o assunto com freqüência.

Dentro deste âmbito é importante ressaltar que não é só a mãe que experimenta o choque emocional da perda. O pai também sente de forma muito acentuada o vazio da perda e por muitas vezes reage de forma diferente da mulher.

Os homens apresentam outro tipo de comportamento:

- depressão

- apatia

- ficam calados ou falam de outros assuntos que não tenham co-relação ao aborto

- não querem tocar no assunto da perda

- isolamento

- a maioria não quer que a parceira engravide novamente

- demonstração de frieza

 

Cabe dizer que essas diferenças se fundem ao mesmo sentimento por ambas as partes: a dificuldade de superar a dor da perda.

Todos sabem que a mulher se comporta de maneira diferente a do homem. Mulheres falam mais, sentem necessidade de conversar, de discutir a relação, de expor os seus sentimentos. O instinto dos homens é o de falar menos, de proteger, de ser o macho cuidador, e mediante uma perda gestacional o pai sente a sensação de impotência por não ter conseguido salvar o seu bebê.

A mulher que pensa que o seu parceiro é insensível está enganada. O homem apenas se cala porque tocar no assunto representa vir à tona todo o sentimento de perda novamente, além do que na sua maioria não quer que a sua parceira engravide novamente tamanho o medo de ocorrer outra perda gestacional e mais uma vez não poder fazer nada para salvar o seu bebê e proteger a sua parceira de mais um sofrimento.

É importante dizer que tanto para o homem quanto para a mulher é absolutamente natural e saudável passar por esse processo de luto, o que implica na tristeza, no choro e no sofrimento, mas também na capacidade de superar esta fase com esperança e alternativas para superar a dor.

A recusa de certas mulheres em procurar apoio, deixando que os sintomas se agravem, pode levá-las a quadros de profunda depressão, não aceitação da perda, entre outros fatores de risco.

O caminho percorrido para a aceitação da perda e restituição do equilíbrio emocional é muito extenso e requer tempo, muita coragem e persistência.

Dê tempo ao tempo. Deixe a natureza desempenhar o seu papel no que tange a recuperação física – o seu corpo agradecerá. E se achar necessário, procure um médico para ajudar-lhe nesse processo de superação.

Afinal de contas ninguém é obrigado a passar por um momento tão difícil sem a ajuda de um profissional.

Busque o que for melhor para você. Sinta-se bem consigo mesma e o resto será conseqüência.

 

Texto de Erivane de Alencar Moreno - direitos reservados.


Tell a Friend

Indique essa matéria para um (a) amigo (a).

 

 

 

 

 
 cerclagem@cerclagem.com.br
 Comentários da autora  / Entrevistas Fale conosco




© Todos os direitos reservados a ERIVANE DE ALENCAR MORENO. Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que as fontes sejam citadas.
© Copyright 2010 

ATENÇÃO: as informações disponibilizadas neste site e fornecidas através da newsletter do site CERCLAGEM  têm propósitos orientadores, e não representam um substituto para aconselhamento e/ou tratamento médico especializado.



  Site Map